TRANSCRIÇÃO

There’s one way to be rational; there are many ways to be irrational. We could be irrational by getting confused, not taking actions, being myopic, vindictive, emotional. You name it. There’s lots of ways to be wrong. And because of that, there’s not one way to fix it.

But one interesting way to try and inject some rationality is to think from an outsider’s perspective. So here’s what happens. When you think about your own life, you’re trapped within your own perspective. You’re trapped within your own emotions and feelings and so on. But if you give advice to somebody else, all of a sudden you’re not trapped within that emotional combination, mish-mash, complexity and you can give advice that is more forward-looking and not so specific to the emotions.

So one idea is to basically ask people for advice. So if you’re falling in love with some person, good advice is to go to your mother and say, “Mother, what do you think about the long-term compatibility of that person?” You’re infatuated, right. When you’re infatuated you’re not able to see things three months down the road. You’re saying I’m infatuated. I’ll stay infatuated forever and this will never go away. Your mother being an outsider is not infatuated and she could probably look at things like long-term compatibility and so on. But there’s other ways to do it which is not to be advisors to other people but to be advisors for ourselves.

So for example, in one experiment, we asked people, we said, “Look, you went to your doctor. They gave you this diagnosis. You know that the thing that the doctor recommended is much more expensive and there are other things that would be much cheaper. Would you go for a second opinion?” And people say, “No, my doctor recommended it. How could I not take their advice? How could I say, ‘Can you please refer me for a second opinion?’” Then we asked another group. We said, “Here is the situation. If this happened to your friend, would you recommend that they go for a second opinion?” People said, “Absolutely. How could you not go for a second opinion?” So one idea is to try and get ourselves from an outside perspective. You look at the situation and then you say to yourself if this was about somebody else, somebody I love and care about and then when this situation… what would I advise them? And you would realize that often your advice will be different and often a more rational, useful perspective.

TRADUÇÃO

Existe uma maneira de ser racional; existem muitas maneiras de ser irracional. Podemos ser irracionais ficando confusos, não agindo, sendo míopes, vingativos, emocionais. O que você disser. Existem muitas maneiras de estar errado. E por causa disso, não há uma maneira de consertar.

Mas uma maneira interessante de tentar injetar alguma racionalidade é pensar a partir de uma perspectiva de fora. Então aqui está o que acontece. Quando você pensa sobre sua própria vida, você fica preso em sua própria perspectiva. Você está preso em suas próprias emoções e sentimentos e assim por diante. Mas se você dá conselhos a outra pessoa, de repente você não está preso nessa combinação emocional, confusão, complexidade e você pode dar conselhos que são mais voltados para o futuro e não tão específicos para as emoções.

Portanto, uma ideia é basicamente pedir conselhos às pessoas. Então, se você está se apaixonando por alguma pessoa, um bom conselho é ir até sua mãe e dizer: “Mãe, o que você acha da compatibilidade de longo prazo dessa pessoa?” Você está apaixonado, certo. Quando você está apaixonado, você não é capaz de ver as coisas três meses depois. Você está dizendo que estou apaixonado. Eu vou ficar apaixonado para sempre e isso nunca vai embora. Sua mãe, sendo uma estranha, não está apaixonada e ela provavelmente poderia olhar para coisas como compatibilidade de longo prazo e assim por diante. Mas há outras maneiras de fazer isso que não é sermos conselheiros de outras pessoas, mas sermos conselheiros de nós mesmos.

Então, por exemplo, em um experimento, perguntamos às pessoas, dissemos: “Olha, você foi ao seu médico. Eles deram a você este diagnóstico. Você sabe que aquilo que o médico recomendou é muito mais caro e tem outras coisas que seriam muito mais baratas. Você buscaria uma segunda opinião? ” E as pessoas dizem: “Não, meu médico recomendou. Como eu poderia não seguir o conselho deles? Como eu poderia dizer: ‘Você pode me indicar para uma segunda opinião?’ ”Então perguntamos a outro grupo. Dissemos: “Aqui está a situação. Se isso acontecesse com seu amigo, você recomendaria que ele procurasse uma segunda opinião? ” As pessoas diziam: “Com certeza. Como você poderia não buscar uma segunda opinião? ” Portanto, uma ideia é tentar nos ver de uma perspectiva externa. Você olha para a situação e diz para si mesmo se fosse sobre outra pessoa, alguém que eu amo e me preocupo e então quando essa situação … o que eu aconselharia? E você perceberia que muitas vezes seus conselhos serão diferentes e, muitas vezes, uma perspectiva mais racional e útil.

← Voltar para avançado