TRANSCRIÇÃO

A new report says that more than 10,000 kinds of living things could disappear forever because of the Amazon rainforest’s destruction.

The rainforest surrounding South America’s Amazon River is the world’s largest. The report said 35 percent of the rainforest has been destroyed or damaged.

The report is by the Science Panel for the Amazon. The project brought together 200 international scientists through the United Nations Sustainable Development Network. It is a detailed study of the Amazon rainforest and its importance to the world’s climate.

Reducing deforestation and forest destruction to zero in less than 10 years “is critical,” the report said. The scientists also called for replanting trees that were destroyed.

The rainforest stores large amounts of carbon and is extremely important in fighting climate change. The report said that the plants and soil of the Amazon hold 200 billion metric tons of carbon. That is 400 percent of the world’s yearly carbon dioxide emissions.

The continued destruction of the Amazon rainforest also threatens more than 8,000 plants and 2,300 animals, the report added.

Mercedes Bustamante is a professor at the University of Brasilia. She spoke in an online presentation of some of the study’s findings. She said the destruction of the Amazon also presents a serious risk to humans.

“There is a narrow window of opportunity to change this trajectory,” she said. “The fate of Amazon is central to the solution to the global” crisis.

Colombia’s former President Juan Manuel Santos also spoke during the online discussion. He said there has been a lack of political leadership among the eight countries in the Amazon area.

The report said 18 percent of the Amazon area has already been deforested — mostly for agriculture and illegal timber. Another 17 percent of the rainforest has been damaged.

Scientists said the main goal should be protecting existing plants and bodies of water rather than repairing damaged areas.

Marielos Peña-Claros is a professor at Wageningen University in the Netherlands. She said: “Restoration actions can be costly and complex to implement, so it’s actually better to avoid deforestation,” she said.

A separate study, released in the science publication Nature, said that some parts of the Amazon are releasing more carbon than they take in.

Luciana Gatti from Brazil’s space research agency led the study. She said carbon emissions are highest in the southeastern part of the Amazon area, where there are high rates of deforestation. She said many trees there are dying from lack of rain and rising temperatures.

I’m Dan Novak.

TRADUÇÃO

Um novo relatório diz que mais de 10.000 tipos de seres vivos podem desaparecer para sempre por causa da destruição da floresta amazônica.

A floresta tropical ao redor do rio Amazonas da América do Sul é a maior do mundo. O relatório disse que 35 por cento da floresta tropical foi destruída ou danificada.

O relatório é do Painel Científico da Amazônia. O projeto reuniu 200 cientistas internacionais por meio da Rede de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas. É um estudo detalhado da floresta amazônica e sua importância para o clima mundial.

Reduzir o desmatamento e a destruição da floresta a zero em menos de 10 anos “é crítico”, disse o relatório. Os cientistas também pediram o replantio de árvores que foram destruídas.

A floresta tropical armazena grandes quantidades de carbono e é extremamente importante no combate às mudanças climáticas. O relatório afirma que as plantas e o solo da Amazônia contêm 200 bilhões de toneladas de carbono. Isso é 400 por cento das emissões anuais de dióxido de carbono do mundo.

A destruição contínua da floresta amazônica também ameaça mais de 8.000 plantas e 2.300 animais, acrescentou o relatório.

Mercedes Bustamante é professora titular da Universidade de Brasília. Ela falou em uma apresentação online de algumas das descobertas do estudo. Ela disse que a destruição da Amazônia também representa um sério risco para os humanos.

“Há uma pequena janela de oportunidade para mudar essa trajetória”, disse ela. “O destino da Amazon é fundamental para a solução da crise global”.

O ex-presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, também falou durante a discussão online. Segundo ele, falta liderança política entre os oito países da região amazônica.

O relatório disse que 18 por cento da área amazônica já foi desmatada – principalmente para agricultura e madeira ilegal. Outros 17 por cento da floresta tropical foram danificados.

Os cientistas disseram que o principal objetivo deve ser proteger as plantas e corpos d’água existentes, em vez de reparar as áreas danificadas.

Marielos Peña-Claros é professor da Universidade de Wageningen, na Holanda. Ela disse: “As ações de restauração podem ser caras e complexas para implementar, então é realmente melhor evitar o desmatamento”, disse ela.

Um estudo separado, divulgado na publicação científica Nature, disse que algumas partes da Amazônia estão liberando mais carbono do que absorvem.

Luciana Gatti, da agência de pesquisas espaciais do Brasil, conduziu o estudo. Segundo ela, as emissões de carbono são maiores na região sudeste da Amazônia, onde há altos índices de desmatamento. Ela disse que muitas árvores estão morrendo por falta de chuva e aumento da temperatura.

Eu sou Dan Novak.

← Voltar para intermediário