TRANSCRIÇÃO

Chinese researchers say they believe a group of rockets could be used to change the path of asteroids that might pass near Earth.

A team at China’s National Space Science Center carried out simulations on the proposed asteroid defense system.

The scientists said their research suggests 23 rockets of China’s biggest kind of rockets could force a large asteroid to change direction. They said the rockets could move the asteroid from its path by a distance of 1.4 times Earth’s radius.

Most experts agree that there is only a small likelihood that a large asteroid or other space object will crash into Earth and cause great destruction. However, many organizations do recognize the real risk of such an event.

For example, the U.S. space agency NASA and its international partners continuously search the skies for what scientists call near-Earth objects (NEOs). Such objects include asteroids and comets that come within 50 million kilometers of Earth’s orbit.

The Chinese research was based on defending against a specific asteroid, Bennu, which orbits the sun. Bennu is about a half-kilometer wide. It is considered a near-Earth asteroid. NASA says Bennu reaches its closest distance to Earth every six years.

The researchers recently reported on their proposal in a study in a planetary science publication called Icarus.

China’s Long March 5 rockets are a central part of the country’s space program. They have been used to launch space station elements and carry spacecraft to the Moon and Mars. China has successfully launched six Long March 5 rockets since 2016.

Alan Fitzsimmons is a professor of astrophysics at Queen’s University Belfast in Northern Ireland. He told Reuters he finds the idea of using rockets to act as an asteroid deflector “a rather nice concept.”

Fitzsimmons continued: “By increasing the mass hitting the asteroid, simple physics should ensure a much greater effect.” He added, however, that the actual operation of such a mission needs to be studied further.

Experts have estimated there is about a 1 percent chance that a 100-meter-wide asteroid would strike Earth in the next 100 years, said Gareth Collins. He is a professor at Imperial College London. “Something the size of Bennu colliding is about 10 times less likely,” Collins added.

Scientists say deflecting an asteroid’s path presents a lower risk than blasting the rock with nuclear explosives, which may cause it to break into pieces without changing direction.

A similar idea has already developed into a planned NASA mission called the Double Asteroid Redirection Test (DART).

Sometime between late 2021 to early 2022, NASA plans to launch the robotic DART spacecraft to reach the near-Earth asteroid Didymos. NASA considers Didymos a “binary asteroid system.” This means it is made up of a large, main asteroid, and a smaller “moonlet” asteroid.

NASA says when the DART spacecraft arrives at Didymos about a year after launch, it will attempt to crash land on the moonlet. The test seeks to find out how the crash will affect the asteroid’s travel path.

I’m Bryan Lynn.

TRADUÇÃO

Pesquisadores chineses acreditam que um grupo de foguetes pode ser usado para mudar o caminho dos asteróides que podem passar perto da Terra.

Uma equipe do Centro Nacional de Ciência Espacial da China realizou simulações do sistema de defesa de asteróides proposto.

Os cientistas disseram que sua pesquisa sugere que 23 foguetes do maior tipo de foguete da China podem forçar um grande asteróide a mudar de direção. Eles disseram que os foguetes podem mover o asteróide de seu caminho a uma distância de 1,4 vezes o raio da Terra.

A maioria dos especialistas concorda que existe apenas uma pequena probabilidade de um grande asteróide ou outro objeto espacial colidir com a Terra e causar grande destruição. No entanto, muitas organizações reconhecem o risco real de tal evento.

Por exemplo, a agência espacial norte-americana NASA e seus parceiros internacionais procuram continuamente nos céus o que os cientistas chamam de objetos próximos à Terra (NEOs). Esses objetos incluem asteróides e cometas que chegam a 50 milhões de quilômetros da órbita da Terra.

A pesquisa chinesa foi baseada na defesa contra um asteróide específico, Bennu, que orbita o sol. Bennu tem cerca de meio quilômetro de largura. É considerado um asteróide próximo à Terra. A NASA diz que Bennu atinge sua distância mais próxima da Terra a cada seis anos.

Os pesquisadores relataram recentemente sobre sua proposta em um estudo em uma publicação de ciência planetária chamada Icarus.

Os foguetes da China Longa Marcha 5 são uma parte central do programa espacial do país. Eles têm sido usados ​​para lançar elementos de estações espaciais e transportar espaçonaves para a Lua e Marte. A China lançou com sucesso seis foguetes Longa Marcha 5 desde 2016.

Alan Fitzsimmons é professor de astrofísica na Queen’s University Belfast, na Irlanda do Norte. Ele disse à Reuters que considera a idéia de usar foguetes para atuar como defletor de asteróide “um conceito bastante interessante”.

Fitzsimmons continuou: “Aumentando a massa que atinge o asteróide, a física simples deve garantir um efeito muito maior.” Ele acrescentou, no entanto, que a operação real de tal missão precisa ser mais estudada.

Os especialistas estimam que há cerca de 1 por cento de chance de um asteróide de 100 metros de largura atingir a Terra nos próximos 100 anos, disse Gareth Collins. Ele é professor do Imperial College London. “Algo do tamanho de uma colisão de Bennu é cerca de 10 vezes menos provável”, acrescentou Collins.

Os cientistas dizem que desviar o caminho de um asteróide apresenta um risco menor do que explodir a rocha com explosivos nucleares, o que pode fazer com que ela se quebre sem mudar de direção.

Uma ideia semelhante já se desenvolveu em uma missão planejada da NASA chamada Double Asteroid Redirection Test (DART).

Em algum momento entre o final de 2021 e o início de 2022, a NASA planeja lançar a espaçonave robótica DART para alcançar o asteróide Didymos, próximo à Terra. A NASA considera Didymos um “sistema de asteróides binário”. Isso significa que ele é composto de um asteróide principal grande e um asteróide “moonlet” menor.

A NASA diz que quando a espaçonave DART chegar a Didymos cerca de um ano após o lançamento, ela tentará aterrissar no moonlet. O teste visa descobrir como a queda afetará o caminho de viagem do asteróide.

Eu sou Bryan Lynn.

← Voltar para intermediário