TRANSCRIÇÃO

A virus that usually sickens children during cold weather months has surprised doctors and put many babies in the hospital in the United States.

The virus is called RSV, or respiratory syncytial virus. It is a common sickness that is like the common cold. But the virus can also cause severe sickness in babies and old people. Cases of RSV dropped sharply last year, when people mostly stayed at home and avoided busy areas during the COVID-19 health crisis.

But RSV cases began increasing as pandemic restrictions eased.

“I’ve never seen anything like this before,” said Dr. Kate Dutkiewicz. She is medical director at Beacon Children’s Hospital in South Bend, Indiana. “I’ve never seen cases in July, or close to July,’’ she added.

She recently treated two babies who were infected with RSV. Both needed oxygen treatment to help them breathe.

The U.S. Centers for Disease Control and Prevention released a health advisory on June 10. It warned of an increase in RSV cases across parts of the southern United States. Cases have appeared in other areas, too.

LaRanda St. John became worried when her 6-week-old son, Beau, developed a bad cough. She suspected RSV when she saw that he seemed to be struggling to breathe easily.

“The doctors’ office couldn’t get me in because they were flooded with people calling” about children with similar symptoms, St. John said.

A medical test at the hospital confirmed Beau had RSV. The baby developed an above normal heart rate and had to be hospitalized overnight. His 16-month-old sister, Lulabelle, also got the virus but was not as sick and did not need to go to the hospital.

St. John said at first she thought her children might have COVID-19 because it is the wrong season for RSV. “I can’t say I was relieved, because I know RSV is just as bad,” she said.

In the United States, RSV leads to 2 million doctor visits each year, 58,000 hospitalizations and up to 500 deaths in children under the age of five. That is higher than the estimated number of children affected by COVID-19.

Among adults aged 65 and older, RSV causes 180,000 hospitalizations and 14,000 deaths yearly.

Cases in children and adults usually develop in the autumn through early spring. Off-season cases of RSV reported in Australia were a sign that the same might happen in the United States, said Dr. Larry Kociolek. He is an infectious disease specialist with Lurie Children’s Hospital in Chicago.

Babies are usually exposed to RSV during the first year of life. Often older children in the family become infected at school and bring the virus home, Kociolek said. Because of stay-at-home orders and social distancing during the pandemic, young babies and children were not exposed to the virus as much as usual last autumn and winter.

“That just leaves a much larger proportion of susceptible infants,” Kociolek said.

In infants, signs of RSV may include increased crying, poor feeding, a high body temperature and a lack of energy.

In infants and in babies born earlier than expected, the virus can cause small airways in the lungs to expand and fill up with thick fluid. Babies who develop this condition, called bronchiolitis, may require hospitalization and oxygen treatment.

Kociolek said the recent rise in cases during summer months could be partly the result of more testing because of COVID-19 fears. In normal times, parents may dismiss RSV signs as nothing especially serious. But now, parents fear their children could have COVID-19

RSV can spread through contact with drops of liquid in the air from an infected person. But it is most likely to spread through contact with surfaces or objects touched by someone with the virus. RSV is much more likely than the new coronavirus to remain on skin and other surfaces.

I’m Ashley Thompson.

TRADUÇÃO

Um vírus que geralmente adoece as crianças durante os meses de clima frio surpreendeu os médicos e colocou muitos bebês no hospital nos Estados Unidos.

O vírus é denominado RSV, ou vírus sincicial respiratório. É uma doença comum semelhante ao resfriado comum. Mas o vírus também pode causar doenças graves em bebês e idosos. Os casos de RSV caíram drasticamente no ano passado, quando as pessoas ficaram em casa e evitaram áreas movimentadas durante a crise de saúde do COVID-19.

Mas os casos de RSV começaram a aumentar à medida que as restrições à pandemia diminuíram.

“Nunca vi nada assim antes”, disse a Dra. Kate Dutkiewicz. Ela é diretora médica do Beacon Children’s Hospital em South Bend, Indiana. “Nunca vi casos em julho ou perto de julho’ ’, acrescentou ela.

Recentemente, ela tratou de dois bebês infectados com RSV. Ambos precisavam de tratamento com oxigênio para ajudá-los a respirar.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA divulgaram um comunicado de saúde em 10 de junho. Ele alertou sobre um aumento nos casos de RSV em partes do sul dos Estados Unidos. Também surgiram casos em outras áreas.

LaRanda St. John ficou preocupada quando seu filho de 6 semanas, Beau, desenvolveu uma tosse forte. Ela suspeitou de RSV quando viu que ele parecia estar lutando para respirar facilmente.

“Os consultórios médicos não conseguiram me atender porque estavam lotados de pessoas ligando” sobre crianças com sintomas semelhantes, disse St. John.

Um teste médico no hospital confirmou que Beau tinha VSR. O bebê desenvolveu uma frequência cardíaca acima do normal e teve que ser hospitalizado durante a noite. Sua irmã de 16 meses, Lulabelle, também contraiu o vírus, mas não estava tão doente e não precisou ir ao hospital.

St. John disse a princípio que pensou que seus filhos poderiam ter COVID-19 porque é a estação errada para RSV. “Não posso dizer que fiquei aliviada, porque sei que o RSV é igualmente ruim”, disse ela.

Nos Estados Unidos, o RSV leva a 2 milhões de consultas médicas a cada ano, 58.000 hospitalizações e até 500 mortes em crianças menores de cinco anos. Isso é maior do que o número estimado de crianças afetadas pelo COVID-19.

Entre adultos com 65 anos ou mais, o RSV causa 180.000 hospitalizações e 14.000 mortes anualmente.

Os casos em crianças e adultos geralmente se desenvolvem do outono até o início da primavera. Os casos fora de temporada de RSV relatados na Austrália foram um sinal de que o mesmo pode acontecer nos Estados Unidos, disse o Dr. Larry Kociolek. Ele é um especialista em doenças infecciosas do Lurie Children’s Hospital em Chicago.

Os bebês são geralmente expostos ao VSR durante o primeiro ano de vida. Muitas vezes, as crianças mais velhas da família são infectadas na escola e trazem o vírus para casa, disse Kociolek. Por causa das ordens de ficar em casa e do distanciamento social durante a pandemia, bebês e crianças não foram expostos ao vírus tanto quanto de costume no outono e inverno passado.

“Isso deixa uma proporção muito maior de bebês suscetíveis”, disse Kociolek.

Em bebês, os sinais de VSR podem incluir aumento do choro, má alimentação, temperatura corporal elevada e falta de energia.

Em bebês e bebês nascidos antes do esperado, o vírus pode fazer com que pequenas vias respiratórias nos pulmões se expandam e se encham de líquido espesso. Os bebês que desenvolvem essa condição, chamada bronquiolite, podem precisar de hospitalização e tratamento com oxigênio.

Kociolek disse que o recente aumento de casos durante os meses de verão pode ser em parte resultado de mais testes por causa dos temores do COVID-19. Em tempos normais, os pais podem ignorar os sinais de RSV como nada especialmente sério. Mas agora, os pais temem que seus filhos possam receber COVID-19

O RSV pode se espalhar pelo contato com gotas de líquido no ar de uma pessoa infectada. Mas é mais provável que se espalhe pelo contato com superfícies ou objetos tocados por alguém com o vírus. É muito mais provável que o VSR do que o novo coronavírus permaneça na pele e em outras superfícies.

Eu sou Ashley Thompson.

← Voltar para intermediário