TRANSCRIÇÃO

Picture warm, gooey cookies, crunchy candies, velvety cakes, waffle cones piled high with ice cream. Is your mouth watering? Are you craving dessert? Why? What happens in the brain that makes sugary foods so hard to resist? Sugar is a general term used to describe a class of molecules called carbohydrates, and it’s found in a wide variety of food and drink. Just check the labels on sweet products you buy.

Glucose, fructose, sucrose, maltose, lactose, dextrose, and starch are all forms of sugar. So are high-fructose corn syrup, fruit juice, raw sugar, and honey. And sugar isn’t just in candies and desserts, it’s also added to tomato sauce, yogurt, dried fruit, flavored waters, or granola bars. Since sugar is everywhere, it’s important to understand how it affects the brain.

What happens when sugar hits your tongue? And does eating a little bit of sugar make you crave more? You take a bite of cereal. The sugars it contains activate the sweet-taste receptors, part of the taste buds on the tongue. These receptors send a signal up to the brain stem, and from there, it forks off into many areas of the forebrain, one of which is the cerebral cortex. Different sections of the cerebral cortex process different tastes: bitter, salty, umami, and, in our case, sweet. From here, the signal activates the brain’s reward system.

This reward system is a series of electrical and chemical pathways across several different regions of the brain. It’s a complicated network, but it helps answer a single, subconscious question: should I do that again? That warm, fuzzy feeling you get when you taste Grandma’s chocolate cake? That’s your reward system saying, “Mmm, yes!” And it’s not just activated by food. Socializing, sexual behavior, and drugs are just a few examples of things and experiences that also activate the reward system.

But overactivating this reward system kickstarts a series of unfortunate events: loss of control, craving, and increased tolerance to sugar. Let’s get back to our bite of cereal. It travels down into your stomach and eventually into your gut. And guess what? There are sugar receptors here, too. They are not taste buds, but they do send signals telling your brain that you’re full or that your body should produce more insulin to deal with the extra sugar you’re eating.

The major currency of our reward system is dopamine, an important chemical or neurotransmitter. There are many dopamine receptors in the forebrain, but they’re not evenly distributed. Certain areas contain dense clusters of receptors, and these dopamine hot spots are a part of our reward system. Drugs like alcohol, nicotine, or heroin send dopamine into overdrive, leading some people to constantly seek that high, in other words, to be addicted.

Sugar also causes dopamine to be released, though not as violently as drugs. And sugar is rare among dopamine-inducing foods. Broccoli, for example, has no effect, which probably explains why it’s so hard to get kids to eat their veggies.

Speaking of healthy foods, let’s say you’re hungry and decide to eat a balanced meal. You do, and dopamine levels spike in the reward system hot spots. But if you eat that same dish many days in a row, dopamine levels will spike less and less, eventually leveling out. That’s because when it comes to food, the brain evolved to pay special attention to new or different tastes. Why? Two reasons: first, to detect food that’s gone bad. And second, because the more variety we have in our diet, the more likely we are to get all the nutrients we need.

To keep that variety up, we need to be able to recognize a new food, and more importantly, we need to want to keep eating new foods. And that’s why the dopamine levels off when a food becomes boring.

Now, back to that meal. What happens if in place of the healthy, balanced dish, you eat sugar-rich food instead? If you rarely eat sugar or don’t eat much at a time, the effect is similar to that of the balanced meal. But if you eat too much, the dopamine response does not level out.

In other words, eating lots of sugar will continue to feel rewarding. In this way, sugar behaves a little bit like a drug. It’s one reason people seem to be hooked on sugary foods. So, think back to all those different kinds of sugar. Each one is unique, but every time any sugar is consumed, it kickstarts a domino effect in the brain that sparks a rewarding feeling. Too much, too often, and things can go into overdrive.

So, yes, overconsumption of sugar can have addictive effects on the brain, but a wedge of cake once in a while won’t hurt you.

TRADUÇÃO

Imagine biscoitos pegajosos e quentes, doces crocantes, bolos aveludados, cones de waffle com uma pilha alta de sorvete. Está com água na boca? Você está com desejo de sobremesa? Por quê? O que acontece no cérebro que torna os alimentos açucarados tão difíceis de resistir? Açúcar é um termo geral usado para descrever uma classe de moléculas chamadas carboidratos, e é encontrado em uma ampla variedade de alimentos e bebidas. Basta verificar os rótulos dos produtos doces que você compra.

Glicose, frutose, sacarose, maltose, lactose, dextrose e amido são todas formas de açúcar. O mesmo ocorre com o xarope de milho com alto teor de frutose, o suco de frutas, o açúcar bruto e o mel. E o açúcar não está apenas em doces e sobremesas, ele também é adicionado ao molho de tomate, iogurte, frutas secas, águas aromatizadas ou barras de granola. Uma vez que o açúcar está em toda parte, é importante entender como ele afeta o cérebro.

O que acontece quando o açúcar atinge sua língua? E comer um pouco de açúcar faz você desejar mais? Você dá uma mordida no cereal. Os açúcares que contém ativam os receptores do sabor doce, parte das papilas gustativas da língua. Esses receptores enviam um sinal ao tronco encefálico e, a partir daí, bifurca-se em muitas áreas do prosencéfalo, uma das quais é o córtex cerebral. Diferentes seções do córtex cerebral processam sabores diferentes: amargo, salgado, umami e, em nosso caso, doce. A partir daqui, o sinal ativa o sistema de recompensa do cérebro.

Este sistema de recompensa é uma série de vias elétricas e químicas em várias regiões diferentes do cérebro. É uma rede complicada, mas ajuda a responder a uma única pergunta subconsciente: devo fazer isso de novo? Aquela sensação calorosa que você tem quando prova o bolo de chocolate da vovó? Esse é o seu sistema de recompensa dizendo: “Mmm, sim!” E não é apenas ativado pela comida. Socialização, comportamento sexual e drogas são apenas alguns exemplos de coisas e experiências que também ativam o sistema de recompensa.

Mas a superativação desse sistema de recompensa dá início a uma série de eventos infelizes: perda de controle, desejo e maior tolerância ao açúcar. Vamos voltar à nossa mordida no cereal. Ele desce para o estômago e, eventualmente, para o intestino. E adivinha? Existem receptores de açúcar aqui também. Eles não são papilas gustativas, mas enviam sinais dizendo a seu cérebro que você está cheio ou que seu corpo deve produzir mais insulina para lidar com o açúcar extra que você está ingerindo.

A principal moeda de nosso sistema de recompensa é a dopamina, uma importante substância química ou neurotransmissor. Existem muitos receptores de dopamina no prosencéfalo, mas eles não são distribuídos uniformemente. Certas áreas contêm aglomerados densos de receptores, e esses pontos críticos de dopamina fazem parte de nosso sistema de recompensa. Drogas como álcool, nicotina ou heroína aumentam o ritmo da dopamina, levando algumas pessoas a buscarem constantemente esse barato, em outras palavras, a se tornarem viciadas.

O açúcar também faz com que a dopamina seja liberada, embora não tão violentamente quanto as drogas. E o açúcar é raro entre os alimentos indutores de dopamina. Brócolis, por exemplo, não tem efeito, o que provavelmente explica por que é tão difícil fazer as crianças comerem vegetais.

Falando em alimentos saudáveis, digamos que você esteja com fome e decida fazer uma refeição balanceada. Você o faz, e os níveis de dopamina disparam nos pontos críticos do sistema de recompensa. Mas se você comer o mesmo prato por muitos dias seguidos, os níveis de dopamina irão aumentar cada vez menos, acabando por se nivelar. Isso porque, quando se trata de comida, o cérebro evoluiu para prestar atenção especial a sabores novos ou diferentes. Por quê? Duas razões: primeiro, para detectar comida estragada. E, em segundo lugar, porque quanto mais variedade tivermos em nossa dieta, maior será a probabilidade de obtermos todos os nutrientes de que precisamos.

Para manter essa variedade, precisamos ser capazes de reconhecer um novo alimento e, mais importante, precisamos querer continuar comendo novos alimentos. E é por isso que os níveis de dopamina diminuem quando um alimento se torna enfadonho.

Agora, de volta àquela refeição. O que acontece se, em vez de um prato saudável e equilibrado, você comer alimentos ricos em açúcar? Se você raramente come açúcar ou não come muito de cada vez, o efeito é semelhante ao da refeição balanceada. Mas se você comer muito, a resposta à dopamina não se estabiliza.

Em outras palavras, comer muito açúcar continuará a ser recompensador. Dessa forma, o açúcar se comporta um pouco como uma droga. É uma das razões pelas quais as pessoas parecem estar viciadas em alimentos açucarados. Então, pense em todos esses diferentes tipos de açúcar. Cada um é único, mas toda vez que qualquer açúcar é consumido, ele dá início a um efeito dominó no cérebro que desperta uma sensação gratificante. Muito, com muita freqüência, e as coisas podem ficar sobrecarregadas.

Então, sim, o consumo excessivo de açúcar pode ter efeitos viciantes no cérebro, mas uma fatia de bolo de vez em quando não vai te machucar.

← Voltar para avançado