TRANSCRIÇÃO

In the United States, deaths related to the use of the pain-killing drugs opioids have long been described as a problem for poor white people in small towns and rural communities. In the past several years, however, opioid deaths have increased greatly across the country. And the COVID-19 pandemic has worsened opioid deaths in some of the most at-risk communities of Black Americans.

The Associated Press reports that, in the city of St. Louis, Missouri, deaths among Black people increased at three times the rate of white people last year during the pandemic. Black men in Missouri are now four times more likely than a white person to die of an overdose.

One of them was Craig Elazer.

Elazer struggled all his life with anxiety, a feeling of fear and nervousness. He was never treated for it. So, at a very young age, he started taking drugs and depended on them to calm himself. The addiction, or drug dependency, led him to homelessness and time in prison.

Last September, his sister, Michelle Branch, found her 56-year-old brother dead in a poor neighborhood in north St. Louis. She looked down at his body, saying, “Society failed him. And I had a sense that he’d finally been set free.”

Branch said that her brother was a bright student but struggled to pay attention. Had his condition been treated, Branch said she believes he would be alive today. She added that back then they did not catch many types of mental illness, “…especially not in little Black kids.”

Dr. Kanika Turner is a St. Louis doctor who leads an effort to stop the crisis. She describes the increase in opioid deaths as a civil rights issue as urgent and important as any other.

She said the hardest-hit communities are the same ones being destroyed by unfair drug sentencing. Black men are more likely to be sent to prison instead of treatment, Turner said.

Last year, the death of George Floyd under a police officer’s knee in Minneapolis, Minnesota led to protests around the world. Those who defended the officer claimed that the drug fentanyl, found in his body, had caused his death. But the officer was found guilty of Floyd’s murder in a trial last April.

Fentanyl – a dangerous man-made opioid

Fentanyl is a man-made opioid with 50 to 100 times the strength of a controlled substance like morphine. The U.S. National Institute on Drug Abuse says that man-made opioids, including fentanyl, are now the most common drugs involved in drug overdose deaths in the United States.

Much of the illegal fentanyl is made in Wuhan, China, the city where COVID-19 was first identified. For a while, lockdowns stopped the supply of fentanyl, said Vanda Felbab-Brown. She is an expert at the Brookings Institution who studies drug trafficking.

But the Chinese laboratories restarted and began shipping the chemicals again to Mexico. There, illegal drug groups processed and smuggled the drugs across the U.S. border, Felbab-Brown said. Mexican soldiers have found people at the border carrying tens of thousands of fentanyl pills. And the country’s navy caught two men on a boat on the Sea of Cortez with some 100,000 pills.

The drug flooded the streets of St. Louis last year. Rachel Winograd, a professor at the University of Missouri-St. Louis, followed the state’s overdose information. She said in the first six months of 2020, deaths increased 64 percent among Black people from the same period the year before. Deaths increased 40 percent among white people.

Other northeastern states in the U.S. experienced similar increases. Doctors in Philadelphia, Pennsylvania found that in the first few months of the pandemic, overdoses increased more than 50 percent for Black people while decreasing for white people. In Massachusetts, health officials announced that overdose deaths among Black men increased in 2020 by nearly 70 percent.

Researchers at the University of California, Los Angeles, also found an overall increase of 42 percent in overdose deaths across the U.S. in 2020. The largest increase was for Black people, with a sharp increase of more than 50 percent.

Dealing with drug problems

Narcan is a medicine that can bring people back from a drug overdose before it is too late.​

In a crisis, many in St. Louis are slow to call 911, the emergency help number. This is because they fear the police. So, now activists, like Jerome Anderson, pass out the medication. He is trying to get as much Narcan on the streets as possible.

He calls out to people walking by: “Hey, take some Narcan. Save a life. I’m tired of going to family funerals.”

Anderson himself was a drug addict and has been in recovery for 26 years. In the last six months, he has sung at three family members’ funerals. They all died from an overdose.

He carries around a letter saying that he is not a police officer. Sometimes drug dealers let him stand next to them, to hand their customers his Narcan medicine.

Jamilia Allen was once a top student and the captain of her high school cheerleading team. Back then she judged people who used drugs. But now she is fighting her own drug addiction.

Allen has also used Narcan to save her friends, more than once. She said, “I’m not going to let this kill me, and if I can help anyone else, then that’s one less person like me.”

On the night Craig Elazer died last September, the emergency workers stood over his body and pointed to a white substance on his bed. “Fentanyl,” they said.

When Michelle Branch sat down to write about her brother, she wrote that he was a kind soul, but addiction destroyed him. It took his family. It took his freedom. She wrote, “It would take and take and take until it took his life.”

And that’s the Health & Lifestyle report. I’m Anna Matteo.

And I’m Dan Novack.

TRADUÇÃO

Nos Estados Unidos, as mortes relacionadas ao uso de analgésicos opioides há muito são descritas como um problema para brancos pobres em pequenas cidades e comunidades rurais. Nos últimos anos, no entanto, as mortes por opióides aumentaram muito em todo o país. E a pandemia COVID-19 piorou as mortes por opióides em algumas das comunidades de maior risco entre os negros americanos.

A Associated Press relata que, na cidade de St. Louis, Missouri, as mortes entre negros aumentaram três vezes a taxa de brancos no ano passado durante a pandemia. Homens negros no Missouri têm agora quatro vezes mais probabilidade do que um branco de morrer de overdose.

Um deles era Craig Elazer.

Elazer lutou toda a sua vida com ansiedade, uma sensação de medo e nervosismo. Ele nunca foi tratado por isso. Então, muito jovem, começou a usar drogas e dependia delas para se acalmar. O vício, ou dependência de drogas, levou-o à rua e à prisão.

Em setembro passado, sua irmã, Michelle Branch, encontrou seu irmão de 56 anos morto em um bairro pobre no norte de St. Louis. Ela olhou para o corpo dele, dizendo: “A sociedade falhou com ele. E eu tive a sensação de que ele finalmente foi libertado. “

Branch disse que seu irmão era um aluno brilhante, mas tinha dificuldade para prestar atenção. Se sua condição tivesse sido tratada, Branch disse que acredita que ele estaria vivo hoje. Ela acrescentou que naquela época eles não pegavam muitos tipos de doenças mentais, “… especialmente em crianças negras”.

A Dra. Kanika Turner é uma médica de St. Louis que lidera um esforço para interromper a crise. Ela descreve o aumento das mortes por opióides como uma questão de direitos civis tão urgente e importante quanto qualquer outra.

Ela disse que as comunidades mais atingidas são as mesmas que estão sendo destruídas por sentenças injustas de drogas. Homens negros são mais propensos a serem mandados para a prisão em vez de para tratamento, disse Turner.

No ano passado, a morte de George Floyd sob o joelho de um policial em Minneapolis, Minnesota, gerou protestos em todo o mundo. Os defensores do policial alegaram que a droga fentanil, encontrada em seu corpo, havia causado sua morte. Mas o oficial foi considerado culpado do assassinato de Floyd em um julgamento em abril passado.

Fentanil – um opioide artificial perigoso

O fentanil é um opioide artificial com 50 a 100 vezes a força de uma substância controlada como a morfina. O Instituto Nacional de Abuso de Drogas dos EUA diz que os opióides artificiais, incluindo o fentanil, são agora os medicamentos mais comuns envolvidos nas mortes por overdose de drogas nos Estados Unidos.

Muito do fentanil ilegal é feito em Wuhan, China, a cidade onde COVID-19 foi identificado pela primeira vez. Por um tempo, os bloqueios interromperam o fornecimento de fentanil, disse Vanda Felbab-Brown. Ela é uma especialista da Brookings Institution que estuda o tráfico de drogas.

Mas os laboratórios chineses reiniciaram e começaram a enviar os produtos químicos novamente para o México. Lá, grupos de drogas ilegais processaram e contrabandearam as drogas através da fronteira dos EUA, disse Felbab-Brown. Soldados mexicanos encontraram pessoas na fronteira carregando dezenas de milhares de pílulas de fentanil. E a marinha do país pegou dois homens em um barco no Mar de Cortez com cerca de 100.000 comprimidos.

A droga inundou as ruas de St. Louis no ano passado. Rachel Winograd, professora da University of Missouri-St. Louis, acompanhou as informações sobre overdose do estado. Ela disse que nos primeiros seis meses de 2020, as mortes aumentaram 64 por cento entre os negros em relação ao mesmo período do ano anterior. As mortes aumentaram 40% entre os brancos.

Outros estados do nordeste dos EUA experimentaram aumentos semelhantes. Médicos na Filadélfia, Pensilvânia, descobriram que, nos primeiros meses da pandemia, as overdoses aumentaram mais de 50 por cento para os negros, enquanto diminuíram para os brancos. Em Massachusetts, as autoridades de saúde anunciaram que as mortes por overdose entre homens negros aumentaram em 2020 em quase 70 por cento.

Pesquisadores da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, também descobriram um aumento geral de 42 por cento nas mortes por overdose nos EUA em 2020. O maior aumento foi para os negros, com um aumento acentuado de mais de 50 por cento.

Lidando com problemas de drogas

Narcan é um medicamento que pode trazer as pessoas de volta de uma overdose de drogas antes que seja tarde demais.

Em uma crise, muitos em St. Louis demoram a ligar para o 911, o número de emergência. Isso porque eles temem a polícia. Então, agora ativistas, como Jerome Anderson, distribuem o medicamento. Ele está tentando colocar o máximo possível de Narcan nas ruas.

Ele grita para as pessoas que passam: “Ei, pegue um pouco de Narcan. Salve uma vida. Estou cansado de ir a funerais de família. ”

O próprio Anderson era viciado em drogas e está em recuperação há 26 anos. Nos últimos seis meses, ele cantou em funerais de três familiares. Todos morreram de overdose.

Ele carrega uma carta dizendo que não é policial. Às vezes, os traficantes o deixavam ficar ao lado deles, para entregar aos clientes seu remédio Narcan.

Jamilia Allen já foi uma excelente aluna e capitã da equipe de líderes de torcida do colégio. Naquela época ela julgava quem usava drogas. Mas agora ela está lutando contra seu próprio vício em drogas.

Allen também usou Narcan para salvar seus amigos, mais de uma vez. Ela disse: “Eu não vou deixar isso me matar, e se eu posso ajudar mais alguém, então essa é uma pessoa a menos como eu”.

Na noite em que Craig Elazer morreu em setembro passado, a equipe de emergência parou em cima de seu corpo e apontou para uma substância branca em sua cama. “Fentanil”, disseram eles.

Quando Michelle Branch se sentou para escrever sobre seu irmão, ela escreveu que ele era uma alma bondosa, mas o vício o destruiu. Levou sua família. Foi preciso sua liberdade. Ela escreveu: “Seria preciso e durar até tirar a vida dele”.

E esse é o relatório de Saúde e Estilo de Vida. Eu sou Anna Matteo.

E eu sou Dan Novack.

← Voltar para intermediário