TRANSCRIÇÃO

Massive flooding killed at least 195 people in northern Europe last week. Massive wildfires are burning across much of the western United States. These extreme weather events, scientists warn, are clear signs of global warming. And they say more is needed to be done to fight climate change.

Floods in Europe

In Europe, officials continue to find more bodies as floodwaters drop across affected areas of Germany, Belgium, and the Netherlands. So far, 164 are confirmed dead and hundreds are missing in the affected areas of Germany. At least 31 people died in Belgium.

The rains that led to last week’s floods were expected. However, politicians and weather forecasters were shocked by the amount of rain and the powerful, sudden floods that it caused. Warnings of danger came too late for many people living along Germany’s rivers. Local officials described the weather event as “an explosion of the water” that destroyed buildings, electricity, and cell phone networks.

At one point, water went over the top of the Steinbach Reservoir dam in North Rhine-Westphalia state causing fear that the dam might break. It did not. The state governor said the dam was designed for a risk that might happen once every 10,000 years.

“This was exceeded in the last few days,” he said.

Wim Thiery, a professor at Brussels University, spoke to the Associated Press Friday. He said of the flooding, “There is a clear link between extreme precipitation occurring and climate change.”

Record heat, wildfires in North America

Across the Atlantic, a different kind of extreme weather is happening in Canada and the western United States.

For the second straight year, Death Valley in California has recorded temperatures as high as 54 degrees Celsius. The U.S. National Oceanic and Atmospheric Administration, or NOAA, reported that the U.S. Pacific Northwest and western Canada experienced record highs in late June.

The extremely high temperature is part of the change that has made North America warmer and drier in the past 30 years leading to more wildfires.

On Monday, the National Interagency Fire Center said wildfire activity continues in 13 American states where 80 large fires have burned more than 475,000 hectares of land. The Bootleg Fire, one of the largest in Oregon’s history, has already burned more than 1,210 square kilometers. Firefighters said such wildfire conditions are more usual in late summer or autumn.

Stefan Rahmstorf teaches ocean physics at the University of Potsdam in Germany. He said the recent heat records set in the U.S. and Canada “are so extreme that they would be virtually impossible without global warming.”

What caused these extreme events?

NOAA reports that in keeping with Earth’s warming trend, the month of June this year is the fifth-warmest June in the 142-year global climate record.

Along with North America, June temperatures also reached record highs in Africa. Europe’s June temperature was the second-highest on record and Asia’s recorded temperature in June also came in as its second warmest tying with 2010.

Climate scientists say with every 1 degree Celsius rise in temperature, the air can take in 7 percent more humidity. It can hold water longer, leading to a hot and dry condition in North America. But it also leads to an increase in huge rainfall in Europe.

What to do?

Diederik Samsom is a leading member of the European Commission. He said, “A few years ago, you had to point to a point in the future or far away on the planet to talk about climate change. It’s happening now — here.”

Last week, the commission proposed a 10-year plan to cut by 55 percent the release of waste gases that cause global warming. Some member states oppose the plan.

In January, the U.S. rejoined the Paris Climate Agreement. The agreement restricts the release of gasses by developed nations.

Even if global warming gas releases are greatly reduced in the coming years, the amount of carbon dioxide already in the atmosphere means extreme weather is going to become more likely. And experts say we will need to be prepared for these extreme events.

“We need to make our built environment — buildings, outdoor spaces, cities — more resilient to climate change,” said Lamia Messari-Becker, a professor of engineering at the University of Siegen.

I’m Caty Weaver.

TRADUÇÃO

Enormes enchentes mataram pelo menos 195 pessoas no norte da Europa na semana passada. Grandes incêndios florestais estão queimando em grande parte do oeste dos Estados Unidos. Esses eventos climáticos extremos, alertam os cientistas, são sinais claros do aquecimento global. E eles dizem que é preciso fazer mais para combater as mudanças climáticas.

Inundações na Europa

Na Europa, as autoridades continuam a encontrar mais corpos à medida que as enchentes caem nas áreas afetadas da Alemanha, Bélgica e Holanda. Até o momento, 164 mortos foram confirmados e centenas estão desaparecidos nas áreas afetadas da Alemanha. Pelo menos 31 pessoas morreram na Bélgica.

As chuvas que levaram às inundações da semana passada eram esperadas. No entanto, políticos e meteorologistas ficaram chocados com a quantidade de chuva e as inundações poderosas e repentinas que ela causou. Os avisos de perigo chegaram tarde demais para muitas pessoas que vivem ao longo dos rios da Alemanha. As autoridades locais descreveram o evento climático como “uma explosão de água” que destruiu prédios, eletricidade e redes de telefonia celular.

A certa altura, a água transbordou do topo da barragem do reservatório Steinbach, no estado da Renânia do Norte-Vestfália, causando temor de que a barragem pudesse romper. Não foi. O governador do estado disse que a barragem foi projetada para um risco que pode ocorrer uma vez a cada 10.000 anos.

“Isso foi superado nos últimos dias”, disse ele.

Wim Thiery, professor da Universidade de Bruxelas, falou à Associated Press na sexta-feira. Ele disse sobre as inundações: “Há uma ligação clara entre a ocorrência de precipitação extrema e as mudanças climáticas”.

Calor recorde, incêndios florestais na América do Norte

Do outro lado do Atlântico, um tipo diferente de clima extremo está acontecendo no Canadá e no oeste dos Estados Unidos.

Pelo segundo ano consecutivo, o Vale da Morte na Califórnia registrou temperaturas de até 54 graus Celsius. A Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos EUA, ou NOAA, relatou que o noroeste do Pacífico dos EUA e o oeste do Canadá experimentaram níveis recordes no final de junho.

A temperatura extremamente alta é parte da mudança que tornou a América do Norte mais quente e seca nos últimos 30 anos, levando a mais incêndios florestais.

Na segunda-feira, o National Interagency Fire Center disse que os incêndios florestais continuam em 13 estados americanos, onde 80 grandes incêndios queimaram mais de 475.000 hectares de terra. O Bootleg Fire, um dos maiores da história do Oregon, já queimou mais de 1.210 quilômetros quadrados. Os bombeiros disseram que essas condições de incêndio florestal são mais comuns no final do verão ou no outono.

Stefan Rahmstorf ensina física oceânica na Universidade de Potsdam, na Alemanha. Ele disse que os recentes recordes de calor nos EUA e Canadá “são tão extremos que seriam virtualmente impossíveis sem o aquecimento global”.

O que causou esses eventos extremos?

A NOAA relata que, de acordo com a tendência de aquecimento da Terra, o mês de junho deste ano é o quinto junho mais quente no recorde climático global de 142 anos.

Junto com a América do Norte, as temperaturas de junho também atingiram máximas recordes na África. A temperatura de junho na Europa foi a segunda maior já registrada e a temperatura registrada na Ásia em junho também foi o segundo empate mais quente com 2010.

Os cientistas do clima dizem que a cada 1 grau Celsius de aumento na temperatura, o ar pode absorver 7% a mais de umidade. Ele pode reter a água por mais tempo, levando a uma condição quente e seca na América do Norte. Mas também leva a um aumento nas chuvas gigantescas na Europa.

O que fazer?

Diederik Samsom é um dos principais membros da Comissão Europeia. Ele disse: “Alguns anos atrás, você tinha que apontar para um ponto no futuro ou distante no planeta para falar sobre as mudanças climáticas. Está acontecendo agora – aqui. ”

Na semana passada, a comissão propôs um plano de 10 anos para cortar em 55% a liberação de gases residuais que causam o aquecimento global. Alguns estados membros se opõem ao plano.

Em janeiro, os EUA voltaram a aderir ao Acordo Climático de Paris. O acordo restringe a liberação de gases por nações desenvolvidas.

Mesmo que as emissões de gases do aquecimento global sejam bastante reduzidas nos próximos anos, a quantidade de dióxido de carbono que já está na atmosfera significa que as condições climáticas extremas se tornarão mais prováveis. E os especialistas dizem que precisaremos estar preparados para esses eventos extremos.

“Precisamos tornar nosso ambiente construído – prédios, espaços ao ar livre, cidades – mais resiliente às mudanças climáticas”, disse Lamia Messari-Becker, professora de engenharia da Universidade de Siegen.

Eu sou Caty Weaver.

← Voltar para intermediário