TRANSCRIÇÃO

Abidemi: So Rory, in the last conversation we were talking about changing your personality and you never said what you thought of that.

Rory: Well, I think, I think when you learn a language often your personality does change. I notice with my students that they often seem quite different when they speak English to when they speak Japanese. I’m not sure if that’s a language thing or a cultural thing. But I mean you speak more than one language.

Abidemi: Yes, I do.

Rory: Do you think your personality is different in each language?

Abidemi: That’s a really good question. Just thinking of it right now, I think maybe for me it’s more a question of the culture because I think when I am in an environment where I’m expected to be more extroverted, I tend to try to live up to that.

Rory: Right.

Abidemi: I tend to try to be more cheerful, more open, more friendly or friendlier, I should say. But when I’m somewhere where I know that it’s expected of me to be quieter, I do tend to become more quiet.

Rory: Right.

Abidemi: So I don’t know. That’s a really good question.

Rory: And do you think there might be something in languages which make them like a more extroverted language or a more introverted language? Like I think about Italians – maybe it’s a stereotype of Italians, but they seem to be very extroverted and the language seems to help them in that extroversion.

Abidemi: That’s true. That’s very true. That’s a good question because I’m just trying to think of culture and languages in general, and there’s that debate of how cultures and languages are intertwined. Is it the culture that came first or is it the language that made the culture the way it is. So I don’t know. I really don’t know. But I would love to read more research and find out.

Rory: Yeah. I mean, I noticed since I moved to Asia, to countries like Japan and Korea, the people do seem more introverted and the language also seems more introverted. So I wonder if the language or like you say, I wonder which came first, the language or the culture?

Abidemi: And I think to add on to that, when I think of Asian students that I’ve noticed speaking English, which to some people is a more extroverted language, they always seem more confident.

Rory: Yeah.

Abidemi: They seem friendlier. They seem more open to talking about themselves, their family life. But when you talk to them in their native language, it seems like they revert back to their cultural norms which would probably be less…

Rory: Right, yes.

Abidemi: Yeah, so maybe there is something there.

Rory: Yeah. And I guess the culture over here in Asian countries is people are less likely to share information. There’s less – I mean, in the West especially recently, there’s quite a pressure on you to be more open.

Abidemi: That’s true.

Rory: Whereas maybe in Korea, Japan and China, people are more closed and just have different boundaries.

Abidemi: I’m just trying to think of African countries, like being a Nigerian myself, we’ve had the issue of colonization and where the Western British culture is valorized. So coming from that aspect, I wonder before how we were. Were we more introverted? Because in a lot of ways we’re very similar to Asian cultures and Asian values. We have a lot of that as well.

But now it’s true that being able to speak English and express yourself in a more Western way is a lot. It weighs a lot. It means a lot, so people really enjoy that. People really take their value from that. So yeah, I think it’s a really interesting topic.

Rory: Because I mean people often see England or British people as a bit introverted and a bit quiet, a bit cold and yet we share the same language as America. And people tend to think that people from North America are quiet brash and extroverted.

Abidemi: That’s true.

Rory: So like I said it’s more cultural than language-based.

Abidemi: Yeah, maybe. Maybe we’ve come to a solution then. We’ve found it. It is the culture more than the language then.

TRADUÇÃO

Abidemi: Então Rory, na última conversa estávamos falando sobre mudar sua personalidade e você nunca disse o que acha disso.

Rory: Bem, eu acho, acho que quando você aprende um idioma, muitas vezes sua personalidade muda. Percebo com meus alunos que muitas vezes eles parecem bem diferentes quando falam inglês ou quando falam japonês. Não tenho certeza se isso é uma coisa de linguagem ou cultural. Mas quero dizer que você fala mais de um idioma.

Abidemi: Sim, quero.

Rory: Você acha que sua personalidade é diferente em cada idioma?

Abidemi: Essa é uma pergunta muito boa. Só de pensar nisso agora, acho que talvez para mim seja mais uma questão de cultura, porque acho que quando estou em um ambiente onde se espera que seja mais extrovertido, tendo a tentar viver de acordo com isso.

Rory: Certo.

Abidemi: Eu tendo a tentar ser mais alegre, mais aberto, mais amigável ou mais amigável, devo dizer. Mas quando estou em algum lugar onde sei que se espera que eu fique mais quieto, tenho tendência a ficar mais quieto.

Rory: Certo.

Abidemi: Então eu não sei. Essa é uma pergunta muito boa.

Rory: E você acha que pode haver algo nas línguas que as torna mais extrovertidas ou mais introvertidas? Como eu penso sobre os italianos – talvez seja um estereótipo dos italianos, mas eles parecem ser muito extrovertidos e a linguagem parece ajudá-los nessa extroversão.

Abidemi: Isso é verdade. Isto é uma grande verdade. Essa é uma boa pergunta porque estou apenas tentando pensar na cultura e nas línguas em geral, e há aquele debate sobre como as culturas e as línguas estão interligadas. É a cultura que veio primeiro ou é a linguagem que fez a cultura do jeito que é. Então eu não sei. Eu realmente não sei. Mas eu adoraria ler mais pesquisas e descobrir.

Rory: Sim. Quer dizer, percebi que desde que me mudei para a Ásia, para países como Japão e Coréia, as pessoas parecem mais introvertidas e a língua também parece mais introvertida. Então eu me pergunto se o idioma ou como você diz, eu me pergunto o que veio primeiro, o idioma ou a cultura?

Abidemi: E acho que para acrescentar a isso, quando penso em estudantes asiáticos que percebi falando inglês, que para algumas pessoas é uma língua mais extrovertida, eles sempre parecem mais confiantes.

Rory: Sim.

Abidemi: Eles parecem mais amigáveis. Eles parecem mais abertos para falar sobre si mesmos, sua vida familiar. Mas quando você fala com eles em sua língua nativa, parece que eles voltam às suas normas culturais, o que provavelmente seria menos …

Rory: Certo, sim.

Abidemi: Sim, talvez haja algo aí.

Rory: Sim. E eu acho que a cultura aqui nos países asiáticos é que as pessoas têm menos probabilidade de compartilhar informações. Há menos – quero dizer, no Ocidente, especialmente recentemente, há uma grande pressão sobre você para ser mais aberto.

Abidemi: Isso é verdade.

Rory: Considerando que talvez na Coréia, Japão e China, as pessoas são mais fechadas e têm fronteiras diferentes.

Abidemi: Estou apenas tentando pensar nos países africanos, como se eu fosse um nigeriano, tivemos a questão da colonização e onde a cultura britânica ocidental é valorizada. Então, vindo desse aspecto, eu me pergunto antes como éramos. Ficamos mais introvertidos? Porque em muitos aspectos somos muito semelhantes às culturas asiáticas e aos valores asiáticos. Temos muito disso também.

Mas agora é verdade que ser capaz de falar inglês e se expressar de uma forma mais ocidental é muito. Pesa muito. Significa muito, então as pessoas realmente gostam disso. As pessoas realmente valorizam isso. Então, sim, acho que é um tópico muito interessante.

Rory: Porque quero dizer que as pessoas costumam ver a Inglaterra ou os britânicos como um pouco introvertidos e um pouco calados, um pouco frios e ainda assim compartilhamos a mesma língua que a América. E as pessoas tendem a pensar que as pessoas da América do Norte são impetuosas e extrovertidas.

Abidemi: Isso é verdade.

Rory: Então, como eu disse, é mais cultural do que baseado na linguagem.

Abidemi: Sim, talvez. Talvez tenhamos chegado a uma solução então. Nós encontramos. É a cultura mais do que a língua então.

← Voltar para avançado