TRANSCRIÇÃO

Ashley Pearce’s child was ready to start kindergarten last year in Maryland’s Montgomery County public school system. But when she learned the year would begin online, Pearce sent her daughter to a private Catholic school nearby. It was offering in-person classes.

Now Pearce is debating whether her daughter should return to the local public school. She is unsure of moving after her daughter made friends at the Catholic school. She is also worried the school would go back online if coronavirus cases increase again.

Pearce told The Associated Press, “It’s going to be fine if we stay where we are, and that stability for my family is probably the way we’re going to go.”

Many school systems across the country lost students during the pandemic. And they hope when school starts again this fall, families will choose public schools. Some schools have made efforts to connect with families of young children. Some are placing signs all over communities. Others are reaching out to families with direct phone calls.

There are early signs that enrollment may not recover, says a study by Chalkbeat and The Associated Press. With fewer students, public schools could receive less money to operate. But for now, money from pandemic support is keeping school budgets strong.

Chris Cram is the director of communications for the Montgomery County Public School system where Pearce lives. He said the county has lost between 3,000 and 5,000 students since last year.

Drops in enrollment could also change the racial makeup of the country’s public schools. The AP/Chalkbeat study found that enrollment declines vary based on race. Enrollment in preschool to 12th grade dropped by 2.6 percent among 41 states last fall. But the decline was highest among white students, whose enrollment fell more than 4 percent.

White families’ decisions seemed based mostly on whether their child’s public school offered in-person learning. States, where more students had online classes, saw larger declines among white students.

The country’s Hispanic student population saw the biggest change in enrollment from before the pandemic. Enrollment dropped 1.5 percent among Hispanic students, a population that had been America’s fastest-growing student group. That could be because of the problems Hispanics faced during the pandemic. The group saw high rates of job losses and high rates of death and hospitalization from the pandemic.

“As you can imagine, families (and their children) made a wide variety of decisions that were pandemic related,’ Cram said in an email to VOA.

Cram said some students left Montgomery County to attend private school or home school. He said other families left for economic reasons, moving to less costly areas.

“In the coming weeks we will be calling, mailing and door-knocking to engage and encourage these families to return,” Cram said.

Richard Welsh is a professor at New York University who studies student enrollment. He said it could be difficult for schools to reconnect with families who left public schools for many reasons. Welsh said schools will have to find different ways to bring back students.

“ ‘We’re open for business and we’re committed to in-person learning’ ” could be targeted to white families. But for Black and Hispanic families, Welsh said, schools are talking about safety measures.

One such effort is going on in San Antonio, Texas. There, the mostly Hispanic school district saw enrollment drop just over 5 percent. Officials there expect enrollment will rise this fall but not to pre-pandemic levels.

To build trust with families worried about in-person learning, school officials have held town meetings with families. There, families can ask experts questions about the virus and COVID-19 vaccines. The school will also continue to offer fully online classes.

San Antonio school officials are working to connect with every family who left or did not enroll their child in preschool or kindergarten. And Pedro Martinez, head of the school system, said they are contacting families by phone or with a home visit.

Martinez said he is centered on classes for younger students, where enrollment dropped the most. But he is also concerned about older students from poor families. Many got jobs to help their families during the pandemic. And they continued to attend online classes this spring so they could work, Martinez said.

“It’s so easy for a 16- or 17-year-old to prioritize work over school,” he said.

Cram said Montgomery County will also offer fully online school, in part to help working students.

It is unclear exactly how many families left for private schools, like Pearce. Private school enrollment grew 5 percent or more this year in states like Delaware and New Hampshire. But in other states, including New York, Louisiana, Indiana and Colorado, private school enrollment fell by 3 percent or more.

It was not just wealthy families that left public schools. There were large enrollment declines among students from both poor and rich families in the 35 states that provided data.

Cram said, “some students will be coming back but not all.”

I’m Dan Novak.

TRADUÇÃO

O filho de Ashley Pearce estava pronto para começar o jardim de infância no ano passado no sistema de escolas públicas do condado de Montgomery em Maryland. Mas quando soube que o ano começaria online, Pearce mandou sua filha para uma escola católica particular próxima. Estava oferecendo aulas presenciais.

Agora Pearce está debatendo se sua filha deveria voltar para a escola pública local. Ela não tem certeza de se mudar depois que sua filha fez amigos na escola católica. Ela também está preocupada que a escola volte a ficar online se os casos de coronavírus aumentarem novamente.

Pearce disse à Associated Press: “Vai ficar tudo bem se ficarmos onde estamos, e essa estabilidade para minha família é provavelmente o caminho que vamos seguir”.

Muitos sistemas escolares em todo o país perderam alunos durante a pandemia. E eles esperam que, quando as aulas começarem novamente neste outono, as famílias escolham as escolas públicas. Algumas escolas têm feito esforços para se conectar com famílias de crianças pequenas. Alguns estão colocando placas em todas as comunidades. Outros estão alcançando as famílias por meio de ligações telefônicas diretas.

Há sinais iniciais de que as matrículas podem não se recuperar, diz um estudo feito pela Chalkbeat e The Associated Press. Com menos alunos, as escolas públicas poderiam receber menos dinheiro para funcionar. Mas, por enquanto, o dinheiro do apoio à pandemia está mantendo os orçamentos escolares fortes.

Chris Cram é o diretor de comunicações do sistema de escolas públicas do condado de Montgomery, onde Pearce mora. Ele disse que o condado perdeu entre 3.000 e 5.000 alunos desde o ano passado.

Quedas nas matrículas também podem mudar a composição racial das escolas públicas do país. O estudo da AP / Chalkbeat descobriu que os declínios nas matrículas variam de acordo com a raça. A matrícula na pré-escola até a 12ª série caiu 2,6% entre 41 estados no outono passado. Mas o declínio foi maior entre os alunos brancos, cujas matrículas caíram mais de 4%.

As decisões das famílias brancas pareciam baseadas principalmente em se a escola pública de seus filhos oferecia aprendizagem presencial. Estados, onde mais alunos tinham aulas online, viram quedas maiores entre os alunos brancos.

A população de estudantes hispânicos do país viu a maior mudança no número de matrículas desde antes da pandemia. A matrícula caiu 1,5 por cento entre os alunos hispânicos, uma população que havia sido o grupo de alunos de crescimento mais rápido da América. Isso pode ser devido aos problemas que os hispânicos enfrentaram durante a pandemia. O grupo viu altas taxas de perda de empregos e altas taxas de morte e hospitalização por causa da pandemia.

“Como você pode imaginar, as famílias (e seus filhos) tomaram uma grande variedade de decisões relacionadas à pandemia ‘, disse Cram em um e-mail para a VOA.

Cram disse que alguns alunos deixaram o condado de Montgomery para estudar em uma escola particular ou em casa. Ele disse que outras famílias partiram por razões econômicas, mudando-se para áreas menos caras.

“Nas próximas semanas, estaremos ligando, enviando correspondência e batendo à porta para envolver e incentivar essas famílias a retornarem”, disse Cram.

Richard Welsh é um professor da Universidade de Nova York que estuda a matrícula de alunos. Ele disse que pode ser difícil para as escolas se reconectar com famílias que deixaram as escolas públicas por vários motivos. Welsh disse que as escolas terão que encontrar maneiras diferentes de trazer os alunos de volta.

“‘ Estamos abertos para negócios e estamos comprometidos com o aprendizado presencial ’” poderia ser direcionado a famílias brancas. Mas para famílias negras e hispânicas, disse Welsh, as escolas estão falando sobre medidas de segurança.

Um desses esforços está acontecendo em San Antonio, Texas. Lá, o distrito escolar de maioria hispânica viu as matrículas caírem um pouco mais de 5%. As autoridades esperam que o número de matrículas aumentará neste outono, mas não aos níveis pré-pandêmicos.

Para construir a confiança das famílias preocupadas com o aprendizado pessoal, os funcionários da escola realizaram reuniões municipais com as famílias. Lá, as famílias podem fazer perguntas a especialistas sobre o vírus e as vacinas COVID-19. A escola também continuará a oferecer aulas totalmente online.

Os funcionários da escola de San Antonio estão trabalhando para se conectar com todas as famílias que deixaram ou não matricularam seus filhos na pré-escola ou no jardim de infância. E Pedro Martinez, chefe do sistema escolar, disse que estão entrando em contato com as famílias por telefone ou por meio de uma visita domiciliar.

Martinez disse que se concentra em aulas para alunos mais jovens, onde as matrículas caíram mais. Mas ele também está preocupado com os alunos mais velhos de famílias pobres. Muitos conseguiram empregos para ajudar suas famílias durante a pandemia. E eles continuaram a assistir às aulas online nesta primavera para que pudessem trabalhar, disse Martinez.

“É tão fácil para um jovem de 16 ou 17 anos priorizar o trabalho em vez da escola”, disse ele.

Cram disse que o condado de Montgomery também oferecerá escola totalmente online, em parte para ajudar os alunos que trabalham.

Não está claro exatamente quantas famílias partiram para escolas particulares, como Pearce. A matrícula em escolas particulares cresceu 5% ou mais este ano em estados como Delaware e New Hampshire. Mas em outros estados, incluindo Nova York, Louisiana, Indiana e Colorado, as matrículas em escolas particulares caíram 3% ou mais.

Não foram apenas as famílias ricas que deixaram as escolas públicas. Houve uma grande queda nas matrículas de estudantes de famílias pobres e ricas nos 35 estados que forneceram dados.

Cram disse: “alguns alunos voltarão, mas não todos”.

Eu sou Dan Novak.

← Voltar para intermediário